domingo, 24 de fevereiro de 2013

Ensaio

Tem ator que não gosta de ensaiar... Tenho minhas dúvidas se essas pessoas podem ser chamadas de “atores”. Um ator de verdade, daqueles que amam o que fazem, sabe a importância de um ensaio e o valor de deixar de lado um almoço de família ou uma balada com os amigos pra ensaiar um espetáculo.

Eu sou suspeita! Como uma apaixonada pelas Artes Cênicas, eu adoro ensaiar! Acho que isso é amar o teatro: curtir todo o processo! Desde o estudo do texto até à apresentação. E eu curto! Ah, como eu curto! Não me incomodo em ficar 4, 5 horas (às vezes mais!) ensaiando, repetindo cada cena até a exaustão. São ossos do ofício, não!? Faço com prazer!

Creio que possa dizer que sou uma atriz muito fácil de dirigir. Claro que já tive meus momentos de dizer “não consigo fazer isso”, “não vou fazer assim”, “não sei como fazer”, mas no fim das contas eu meto as caras, faço o que a direção pede e dá tudo certo!

Enfim... O que eu não entendo é a falta de compromisso de alguns “atores” que dizem “na hora sai” porque não gostam de ensaiar, que não decoram texto simplesmente porque não se dedicam a essa tarefa, que faltam aos ensaios sem dar satisfação, que chegam atrasados por falta de planejamento pra chegar na hora (Claro que imprevistos acontecem, mas sempre? Tem alguma coisa errada!) e por último, os que chegam pra ensaiar sem o texto em mãos dizendo que já estão com tudo decorado e esquecem logo a primeira fala.

Todo esse processo é gostoso se você se dedicar, gostar do que faz, gostar da peça e das pessoas que trabalham ao seu lado. Por isso, faço um apelo aos verdadeiros atores: Vamos curtir isso! Vamos fazer o possível pra tornar esse momento algo pra ser lembrado com saudade. Façamos com que essa experiência profissional se torne uma boa experiência de vida também. Vamos fazer amigos e não apenas contatos. Vamos fazer teatro com amor!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Teatro e dinheiro combinam?

Dia desses recebi um e-mail pelo meu site de uma estudante de Artes Cênicas de uma universidade pública do Sul do país. Ela dizia que antes de chegar à faculdade, havia feito um ano e meio de oficinas de teatro, em duas escolas diferentes, nada muito profissional. E agora que está chegando ao segundo ano de faculdade começou a ter dúvidas com relação ao que eu realmente quer. Ela começou a pensar e se preocupar muito com a parte financeira da coisa. Disse que no início não se importava com isso, mesmo que fosse preciso passar fome para fazer teatro, mas sua visão mudou. Hoje ela almeja ter uma vida financeira estável, que possibilite viagens e bens materiais e escreveu o e-mail para saber basicamente se: "É possível um brasileiro fazer parte de alguma companhia de teatro conhecida na França, Portugal ou algum país da Europa? Se for possível, eu imagino que a pessoa precise ralar muito, mas é possível?"

Puxa! Deve-se imaginar a minha cara depois de ler esse e-mail, não? Como responder dando minha opinião sem interferir diretamente na decisão de uma pessoa e ao mesmo tempo esclarecendo a dúvida com base na minha pouca experiência? Não sei se fiz certo, mas o que respondi foi: "De fato, viver de arte em geral (não só de teatro) no Brasil não é nada fácil. Inclusive, viver de teatro, especificamente, não é fácil em lugar algum. Tem-se a ilusão de que em alguns outros países a arte seja mais valorizada, mas o fato é que são poucos os sortudos e verdadeiros amantes do teatro que conseguem sobreviver única e exclusivamente do teatro. Sou atriz desde 2001 e assim como você, nunca tive e continuo sem ter, a menor intenção e/ou vontade de ir pra televisão. Há lugares com mais campo, vamos dizer assim, onde há mais possibilidades de trabalhar com o teatro. São Paulo (Capital), por exemplo, que é onde resido hoje. E mesmo que aqui, supostamente, tenha um campo mais amplo, ainda é muito complicado conseguir trabalhar e viver só de artes cênicas. Há muita competição, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo e muita sujeira também, não há porque negar esse fato. É preciso se dedicar e ralar muito, mas muito mesmo pra vencer com o teatro (na realidade, com qualquer tipo de arte). Eu sou uma artista e se não fosse o teatro, hoje eu estaria em qualquer outra área artística. Sou da arte e já me conformei com o fato de que se quiser continuar fazendo arte terei de abdicar de certas coisas, talvez trabalhar com qualquer outra coisa com um horário de certa flexibilidade pra que possa dedicar meu tempo livre à minha paixão e, certamente, passarei algumas dificuldades inerentes à profissão. São coisas da vida e a vida é cheia de escolhas. Não se pode ter tudo. Mas se o teatro é o que você realmente quer pra sua vida, só você mesma pode dizer. E se quer aceitar essa profissão em sua totalidade, com seus prós e contras, também só você pode decidir. Mas pense que hoje em dia nenhuma profissão é "segura". Tudo muda muito rápido, as coisas acontecem muito rapidamente hoje em dia. Hoje você está bem, tem um emprego estável e uma profissão que te possibilita uma carreira promissora e amanhã pode não ter nada disso."

Dito isso, quero acrescentar aqui o que acredito serem alguns dos vários fatores pelos quais é difícil ganhar a vida com o teatro: a falta de hábito das pessoas, a comodidade trazida pela televisão (sim, porque é muito mais fácil sentar a bunda no sofá e assistir uma novela com tema batido do que sair de casa e ir até o teatro pra assistir à um espetáculo que te faça refletir. Pra que pensar se é possível ter tudo mastigado?); os valores, de certa forma também (tem gente que gasta R$100 numa balada de sábado a noite, mas não quer pagar R$20 num ingresso de teatro, mas se tiver um global pagam sem dó) e por último a falta de incentivo. Mas há leis de incentivos, Hellen! Há, há sim! Mas até conseguir um deles, você já desistiu de fazer teatro (Obs.: Se tiver um QI se consegue rapidinho!). E há ainda uma pequena parcela de "profissionais" do ramo que conseguem ganhar dinheiro e fazer a vida com o teatro, mas como? Simples... Lucrando em cima do trabalho dos outros, normalmente dos atores que ganham uma merreca de cachê.

Enfim... Só quero dizer que viver de arte é muito difícil, mas não é impossível. Ou pelo menos não deveria ser! Infelizmente a preocupação com as contas nos persegue, tudo gira em torno do dinheiro, da necessidade de se ganhar dinheiro... E muitas vezes isso nos impede de fazer (e ser) o que verdadeiramente queremos.

Pra encerrar, deixo um pensamento sobre isso: "O que você gosta realmente de fazer? O que você faria se o dinheiro não existisse?". Pense a respeito!