quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Desejos de ano novo

Para 2014 desejo a todos os atores e apaixonados por teatro como eu...

Patrocínios e apoios culturais para todos;
Leis de incentivo melhores;
Projetos de sucesso;
Trabalho árduo, mas recompensador;
Textos que nos convide a pensar ou embarcar numa aventura incrível para fugir um pouco da realidade;
Espetáculos que, de alguma maneira, modifiquem as pessoas;
Ensaios tranquilos e bom ambiente de trabalho;
Cenários leves e práticos de carregar;
Figurinos duráveis, bonitos e baratos;
Maquiagens que não escorram com o suor;
Palcos firmes que não ameacem desabar a qualquer momento;
Iluminação que não falhe;
Sonoplastia perfeita;
Plateias cheias e público satisfeito;

Eu poderia listar 2014 desejos aqui, mas ao invés disso encerro desejando apenas muitos aplausos, sucesso e muita MERDA sempre!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Só pra esclarecer

É comum as pessoas pensarem que trabalhar com arte é fácil. Então eu pergunto: Não ser valorizado lhe parece fácil? Não ter hora pra acordar, pra dormir ou comer lhe parece fácil? Bater perna atrás de patrocínio e só ouvir "não" lhe parece fácil? Trocar o almoço com a família ou uma festinha porque precisa trabalhar lhe parece fácil? Pois não é! Não é mesmo!

Como se não bastassem as dificuldades inerentes da profissão de ator, ainda é preciso ter sangue frio e paciência pra aguentar perguntas como "Ah você é atriz, mas que novela você fez?", "Me manda um beijo quando for no Faustão?" e assim se segue até que alguém sem noção nenhuma do mundo diz "Ai que chique! Você deve ganhar muito bem!". A reação mais comum é aquele sorrisinho amarelo com cara de paisagem pra não mandar a pessoa praquele lugar!

Há ainda aqueles que acham que ator, palhaço e comediante é tudo a mesma coisa! Chegam pro ator falando mais ou menos assim: "Conta uma piada", "Faz alguma coisa engraçada!", "Anima a festa de aniversário da minha sobrinha? Você é ator mesmo!"
Pra piorar um pouco mais, há aqueles que não acreditam quando você chora de emoção porque "você é ator então interpreta 24 horas por dia e sete dias por semana". Esses pra mim são os piores! Interpretar não é mentir! Não sei quanto à outros atores, mas eu me incomodo muito quando pensam que estou fazendo tipo só porque sou atriz. Meu trabalho, toda minha interpretação, se restringe aos ensaios e apresentações!


Vamos deixar bem claro pra não haver dúvidas: 

1- Ator e palhaço são coisas diferentes, apesar de ambos não receberem o devido valor. Você não pede pra um açougueiro cortar seu cabelo, então não peça pra um ator animar festa de criança.
2- Atores têm vida, são pessoas normais que riem e choram quando sentem vontade e, acredite, a maioria não fica fazendo gracinha por aí. Os que fazem não podem ser chamados de atores de verdade!
3- Ator ganha pouco! Então se puder ajudar (de verdade) de alguma forma, faça isso! Apoie, patrocine e, principalmente, prestigie! Não há recompensa maior que o reconhecimento!
4- Nem todo ator almeja trabalhar na TV, ficar famoso e dar entrevista no Jô... Mas todo artista merece respeito e consideração, trabalhando em uma grande emissora ou numa cia. de teatro amador.
5- Atores se sacrificam e ralam à beça, então faça o favor de não dizer-lhes que seu trabalho é fácil.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Aventurando na escrita

Que ator nunca quis, teve uma pontinha de vontade ou realmente tentou escrever uma peça de teatro?

Acho que é algo que passa pela cabeça de qualquer ator. Depois de tanto interpretar personagens idealizados por outras pessoas, bate aquela curiosidadezinha misturada com uma vontade estranha de criar seu próprio texto.

Pois bem, fiz isso há alguns anos em conjunto com uma amiga. Nossa vontade "era do tamanho de um clássico", então decidimos transformar algo que já existia e mexemos logo com um grande nome do teatro em um de seus textos mais famosos: "Romeu e Julieta" de William Shakespeare.

Estávamos cansadas de ver montagens padronizadas que buscavam ser fiéis aos originais, queríamos inovar e fazer as pessoas pensarem que dá pra fazer coisas diferentes sem fugir à história que o autor queria contar. Mas claro, demos nosso toque, contamos a história do nosso jeito e modificamos o final (sim, aquele final clássico e triste) a fim de transmitir uma mensagem: "Tudo sempre acaba bem e se ainda não está bem, é porque ainda não chegou ao fim!".

Pra quem tiver curiosidade em saber como ficou essas adaptação, é só baixar o texto clicando aqui!

Desde então não escrevi outro texto para teatro, mas vez ou outra escrevo algumas coisas... Assim nasceram alguns contos que podem ser encontrados no meu perfil no site Recanto das Letras.

Se tenho ideia pra escrever mais  um texto teatral? Tenho sim e talvez um dia eu finalmente escreva... Quem sabe? 

Enquanto isso, "Julieta e Romeu?" continuará sendo montado (principalmente por grupos de escola) e fazendo pessoas rirem um pouco ao ver um clássico com outros olhos! =D