sábado, 27 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014

Chegou aquele momento anual em que fazemos um balanço de tudo o que foi feito. Em breve um novo ano, um novo ciclo se inicia e é preciso pesar os acontecimentos, repensar projetos e aprender com erros para que não se repitam.

Pois bem... 2014 foi um ano com uma Copa do Mundo no Brasil bem no meio e meus colegas de profissão devem ter sofrido tanto quanto eu durante o período em que a seleção caminhava para perder de 7 pra Alemanha.

Mas como “tudo sempre acaba bem e se ainda não está bem, é porque ainda não chegou ao fim”, eu fui salva aos 45 do segundo tempo e meu final de ano profissional pós copa foi bem melhor que o resto do ano. De uma viagem a trabalho que já tinha dado como perdida à bancar Mamãe Noel num mês em que já não tinha esperanças de ter trampo... Fiz tudo, deu tudo certo e meu peru de natal foi garantido!

Do que ficou eu aprendi:
- que é importante ter esperanças, acreditar e que o espírito natalino existe;
-  a me virar e improvisar pra fazer algo funcionar mesmo estando muito longe de casa;
- que novas amizades e antigas amizades podem se fortalecer e salvar os seus dias todos os dias;
- que 3 garrafas de cerveja com duas amigas numa piscina podem te fazer relaxar de maneira incrível;
- que ser versátil e pau pra toda obra tem suas vantagens;
- que por mais que você tente ser legal, têm gente que não merece sua educação;
- que já sabia, mas confirmei que ter harmonia no ambiente de trabalho muda tudo;
- que um banho frio é muito importante quando você viaja por horas no verão e todo mundo devia saber disso;
- que não se deve confiar demais em todo mundo;
- que algumas coisas são mais simples do que se imagina;
- que é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, digo,... É preciso saber amar!
- mais um monte de coisa que eu não vou conseguir lembrar agora, mas que também são muito legais.

Enfim, de tudo fica uma lição! E que o ano novo me aguarde, pois vou chegar com tudo!
Entre meus planos está um espetáculo cujo projeto foi iniciado esse ano, uma reformulação necessária no meu site e um curta metragem que está pra sair há algum tempo, mas que agora vai! Novos projetos, novos horizontes, corrida por papeladas que facilitarão minha vida e contatos profissionais em ação!

2015 tá chegando! Pode vir com tudo que estou pronta e se prepare que eu vou lhe usar! 

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

(Des)Valorização

Sim, faz tempo que não posto nada aqui. tem muita coisa acontecendo na minha vida profissional nesse momento e eu estou achando tudo isso ótimo, é claro! Apesar de cansativo e de ter que abdicar de algumas coisas pra conseguir dar conta do trabalho, eu adoro essa correria!

Mas vamos ao assunto... Essa semana vi duas coisas acontecerem, ambas com o mesmo tema, digamos assim! Artistas que banalizam seu trabalho e por consequência desvalorizam o trabalho dos colegas de profissão.

Diz-se que arte não dá dinheiro, que não é valorizado, que não há incentivo... Ora, como valorizar, incentivar e conseguir lucrar com um trabalho que o próprio artista entrega de mão beijada?

Não sei qual foi o contexto, mas uma amiga de longa data, colega de profissão postou no facebook: "Amigos artistinhas, não desvalorizem o trabalho dos seus colegas. Não prostituam (tanto) a sua arte. Tenham amor pelo próprio trabalho e pelo trabalho do próximo. Faz bem pra todo mundo!" 
Pouco tempo depois (em notícias não relacionadas a essa postagem) soube que um grupo de teatro teria oferecido seu trabalho gratuitamente para uma empresa que fazia cotações com vários grupos para a realização de sua SIPAT. Aí eu pergunto: dá pra concorrer com gratuidade? Se o que o contratante quer é economizar (como acontece na maioria das vezes), qualquer grupo que ofereça o seu trabalho por qualquer valor por mais em conta que seja, não tem chance contra um grupo que "dá de graça". E então, por mais que o contratante possa se arrepender caso o barato (ou o de graça) tenha saído caro demais, a cagada já está feita! O grupo em questão banalizou seu trabalho e os outros grupos deixaram de realizar um trabalho que manteria sua sobrevivência.

Começo a pensar que o que falta pra alguns artistas é se amar mais! Se valorizar pra ser valorizado! Saber cobrar pelo seu trabalho que em hipótese alguma sai de graça. Afinal, no mínimo é preciso gastar com alimentação e transporte e isso certamente sai do bolso de alguém.

Volto a dizer o que já disse em alguma outra postagem: Caros artistas, colegas de trabalho, colegas de sofrimento da profissão... Se dê o devido valor, se respeite, se ame! Caso contrário ninguém fará isso por você! Não reclame de falta de dinheiro se não sabe cobrar! E por fim, não puxe o tapete do colega porque você percorre o mesmo caminho e lá na frente, mesmo que na ponta do tapete, quem pode cair é você!

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Dia de reflexão sobre o dia

Hoje 19 de setembro, comemora-se o Dia Nacional do Teatro. Eu nem me lembrava que, há mais de um mês, tinha até programado uma postagem comemorativa na fanpage do meu site. Mesmo sem lembrar, me peguei pensando sobre o teatro. E agora que me lembrei o motivo disso, compartilho aqui meus pensamentos...

Você já foi ao teatro? O que é teatro para você? O que você pensa sobre o teatro? O que o teatro te faz pensar? O que você acha que o teatro é capaz de fazer? O que você gostaria que o teatro fizesse por você?
Como pode uma arte tão antiga ter tanto significado? Mas qual significado? O que significa "teatro" para você?

Já disse aqui muitas vezes tudo o que o teatro representa na minha vida. O teatro é tão parte de mim que mesmo quando não pude estar próximo fisicamente dele, dei um jeito de não afastar meu espírito e intelecto. Mas me pergunto o que o teatro representa pra outras pessoas... Não as pessoas que também fazem teatro, não. Mas as pessoas que não se sentem próximas à ele, não se deleitam com todos os benefícios que ele é capaz de proporcionar. O que essas pessoas acham que é teatro? Talvez pensem que "Sai de Baixo" era teatro (pra mim não era, se alguém quiser entender terei prazer em explicar, mas esse não é o momento), talvez pensem que mentir bem é ser um bom ator, talvez acreditem que teatro é coisa de vagabundo ou de quem nasceu com o rabo pra lua e conseguiu se desligar do verdadeiro fazer teatral para ficar famoso na TV. Quanto às pessoas que fazem teatro, pra ser sincera também tenho minhas dúvidas... Tenho medo de quem vê o teatro como uma grande oportunidade de aparecer, por exemplo. Ah, Senhores, sinto dizer... Nada disso é teatro! Ao menos não para mim! Mas também não vou ficar me repetindo, já que em tantas outras postagens minhas aqui, acredito ter sido bem clara sobre o que o teatro representa pra mim!

O teatro não precisa de um dia para ser comemorado, pois é celebrado cada vez que acontece! E é sempre uma comemoração única cuja força não pode ser registrada por dispositivos tecnológicos, ele nasceu para ficar gravado apenas no íntimo de seus espectadores.

Afinal porque escrevi sobre tudo isso? Bom, foi só uma reflexão sobre o dia do teatro, sobre tudo o que o teatro representa e pode representar pra tantas pessoas... Apenas um convite aos apaixonados por essa arte, reflitam comigo e respondam, intimamente, as questões que trouxe nessa postagem.

Feliz dia nacional do teatro! Merda sempre! Evoé!

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Dia do Ator de Teatro

Hoje quero apenas deixar uma mensagem aos meus colegas de trabalho... Àqueles que perdem finais de semana e feriados deixando de almoçar com a família e de ir numa balada para ensaiar. Àqueles que ganham pouco, mas vivem felizes por que fazem o que amam. Aos que batalham diariamente para mostrar seu valor e provar que teatro é trabalho sim! Àqueles que, como eu, ao mesmo tempo que sonham conquistar seu espaço, ficam emocionados com o som de aplausos mesmo que de uma plateia pequena.

Somos sonhadores, somos lutadores e não devemos desistir nunca! O fazer teatral, a cultura e o amor pelo palco depende de nós! Somos instrumentos de modificação! 

Um texto teatral... São apenas palavras num papel se não formos nós, atores, a lhes dar vida! Um cenário... São apenas pedaços de madeira, tecido e outros materiais dispostos num palco se não fomos nós, atores, a lhes dar uma razão para estarem ali! 

Enfim... Somos a alma do teatro!... E o teatro é toda a nossa alma!

Evoé! E merda para todos nós!

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Oração dos atores (ao Deus Dionísio)

Semideus divino filho de Zeus
Sua porção humana nos aproxima
Por ti submergimos na identidade de um outro
O invocamos para que a arte seja etérea
Em honra a ti provocamos sentimentos
Que sejamos capazes de transformar e convencer
Que a obra escrita sê viva sobre o sagrado tablado
Então cada gota de nosso suor encherá vossa taça como o vinho
Cada aplauso serás tu a nos abençoar
Que cada abrir de cortinas seja em tua glória
E que ao cair do pano saibamos que o sacrifício foi bem sucedido

Evoé!




 Hellen Bravo

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Artista

Pre.con.cei.to - sm (pre+conceito): 1. Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados. 2. Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão. 3. Superstição que obriga a certos atos ou impede que eles se pratiquem. 4 Sociol. Atitude emocionalmente condicionada, baseada em crença, opinião ou generalização, determinando simpatia ou antipatia para com indivíduos ou grupos.

Não é novidade que artistas sejam marginalizados pela sociedade. Artistas são considerados vagabundos e no que diz respeito ao teatro, há anos ouvimos más línguas rotulando atores como homossexuais, promíscuos, maconheiros e atrizes eram registradas nas carteiras de trabalho como prostitutas até alguns anos atrás.

Se você é artista (não importa se ator, pintor, dançarino,...) e vive em situação financeira difícil porque arte não é valorizada como deveria, então todos ao seu redor te chamam de desocupado, te mandam crescer e procurar um emprego decente e ainda dizem que se você tivesse se formado em direito ou medicina já poderia ter sua casa própria hoje. Mas se você é artista e se dá bem na vida,... Aí a coisa muda completamente! A família que te repreendia passa a te idolatrar, os amigos que se afastaram porque você vivia sem tempo de tanto que se dedicava às artes, te ligam parabenizando pelo sucesso e querendo marcar um cafézinho. Então, o funcionamento disso tudo é bem simples: se você é um artista que corre atrás, mas não tem dinheiro pra esbanjar, você é um vagabundo. Mas se você é um artista que conseguiu ao menos 15 minutos de fama e algum dinheiro, pronto... Você é maravilhoso!

Ar.tis.ta - adj m+f (arte+ista): 1. Aplicador da arte. 2. Aquele que faz da arte meio de vida.

A sociedade generaliza, as pessoas adoram falar daquilo que não conhecem e assim nasce o preconceito! Ser artista não é pra qualquer um. Pra ser artista precisa ter a alma, ter cultura, ter consciência. Artistas têm a nobre função de levar cultura em todas as formas e com ela instruir, fazer pensar, educar e encantar. É um dom e não deveria ser marginalizado! Mas é! E não recebe a devida atenção, créditos e valorização. É por isso que alguns artistas desistem no meio do caminho e se rendem. É por isso que alguns artistas sequer gostam de serem chamados de artistas.

Por um artista de rua que faz belíssimas pinturas em pratos pelas ruas de Santos/SP.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

O ego e a raiz

Atores estão em evolução e aprendizado a cada nova experiência. Isso é um fato! Mas então porque alguns renegam duas origens? Quando a fama sobe à cabeça e o ego fica gigante, as pessoas tendem a se sentir superiores, insuperáveis e insubstituíveis. Por vezes, a fama nem é tão estrondosa, mas por menor que seja faz o artista se sentir maior e melhor do que realmente é ou poderia ser.

Porque estou filosofando sobre isso? Por que simplesmente não entendo o motivo pelo qual um ator sente enjoos quando é perguntado sobre uma peça que fez no passado e hoje por alguma razão acha ruim... Porque uma atriz não gosta quem mencionem sua participação na novela Chiquititas... Ou porque se arrepia ao ser lembrado que foi um mutante em uma novela... Enfim, não entendo porque o ego inflado faz atores repudiarem experiências vividas em sua carreira, se essas experiências foram degraus que galgados para chegar ao lugar em que estão hoje.

Se nesse momento você ator acredita que o trabalho que realizou no passado não foi bom, certamente na ocasião esse trabalho te ensinou algo, te fez crescer, evoluir e ser um profissional melhor hoje, então porque se arrepender? Pra que tentar esquecer de onde veio, pelo que passou, o que realizou por toda a sua carreira? 

É esplêndido para qualquer artista ter seu trabalho reconhecido, aplaudido e reverenciado. Ter o ego acariciado é uma das melhores sensações que se pode sentir. A fama é efêmera e o ego um dia desinfla, então não se pode permitir que tomem conta, pois quando isso acontece, normalmente nos tornamos pessoas rudes capazes de qualquer coisa para manter a pose e renegar nossas raízes.

Lembre-se sempre quem você é! Tenha em mente que tudo o que você fez, de bom ou ruim, fazem parte de quem você é. Toda e qualquer experiência de um artista lhe torna único! Tentemos manter nossas raízes intactas e o ego controlado.


sexta-feira, 20 de junho de 2014

Se o mundo é um ovo...

... O universo teatral é apenas um gergelim!

Morei em Santos por 25 anos e por 8 deles fiz parte do meio teatral. Sempre achei única a forma como todas as pessoas da classe teatral da Baixada Santista se conheciam. Parece que todo mundo já trabalhou junto alguma vez... São "filhotes" de uma cia. que deram origem a outra, são atores "emprestados" de uma cia. pra outra, e assim por diante... Pareciam raízes seguindo seus caminho como acham melhor, mas que no fim das contas fazem parte de uma mesma árvore. Poético, não!? Não é uma verdade absoluta, mas também não chega a ser uma mentira, mas isso não vêm ao caso! Enfim, até mesmo por causa dessa sensação de que todo mundo conhece todo mundo e tá sempre junto que eu fiquei um tempo afastada. Não me parecia certo entrar pra um grupo que parecia tão próximo do grupo que eu fazia parte antes, era estranho!

Aí me mudei pra São Paulo, comecei a trabalhar por aqui e conhecer pessoas do meio teatral. Minha maior surpresa foi perceber que mesmo nessa cidade enorme em que se mora por anos e não se consegue conhece tudo, a sensação de que todo mundo conhece todo mundo, da classe teatral, permaneceu! 

Se na vida é preciso tomar cuidado com o que se diz e o que se faz, no meio teatral é preciso ter cuidado redobrado se quiser garantir seu lugarzinho. Se em nosso dia a dia existem pessoas que podem nos prejudicar, entre artistas e seus egos inflamados existem pessoas capazes de tudo pra te tirar do caminho se acharem que você pode ser um empecilho para o seu sucesso. 

Aqui vai um recado pros jovens atores: fiquem de olhos abertos, façam o seu trabalho da melhor maneira possível e não pisem em ninguém! Não faça ninguém de degrau, pois amanhã esse degrau pode se transformar numa rampa escorregadia! O mundo gira, as pedras se encontram e se o mundo é um ovo, o universo teatral é apenas um gergelim!

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Valores

Quanto um ator deve receber por seu trabalho? Qual é o valor considerado justo? Na minha opinião a resposta dessas perguntas é: "Depende! São muitas variáveis!" Explico...

Acontece que cada montagem, e muitas vezes cada apresentação, é única! Se um espetáculo é bem vendido sendo possível pagar um cachê gordo pros atores, ótimo! Mas se não, cabe ao responsável repassar o valor que considerar condizente com o trabalho. Sim, tem muito pilantra no mundo que aproveita pra ganhar dinheiro em cima do trabalho dos atores sim, mas o que parece que as pessoas não entendem é que se um ator aceita, pelo motivo que for, fazer um trabalho por um determinado valor, não adianta chorar depois!

Ah, mas existe a tabela de piso salarial do SATED. Existe sim! Mas o que você prefere: ter frequência de trabalho por um valor que pode estar abaixo da tabela ou trabalhar uma vez por ano e ganhar o piso? Fica difícil pagar o valor sugerido pelo SATED quando a arte não é valorizada. É isso que eu percebo que alguns atores não conseguem entender! A tabela é válida e deve ser levada em consideração, mas sem meios pra isso, fica difícil!

Me lembro dos oito anos que fiz de teatro em Santos... Não recebia cachê por apresentação, não tinha ajuda de custo pra ensaio, figurino e cenário eram pagos com uma grande vaquinha feita entre o elenco e direção. Vim pra São Paulo, passei a receber pelo meu trabalho e aos poucos fui aprendendo a lidar com isso. Nunca reclamei de um valor pago por um simples motivo: eu aceitei! Eu sabia das condições e topei, então não posso reclamar! Se estivesse insatisfeita, (como já estive) procurava outra coisa que me pagasse melhor e então simplesmente me afastava.

Não estou dizendo que ator tem que aceitar ganhar qualquer coisa, não, muito pelo contrário! Precisamos receber o que é nosso por direito. Mas caramba, gente! Você aceitou apresentar um espetáculo ganhando R$50 e sabia disso desde o começo? Algum motivo você deve ter tido. Então me explica porque de uma hora pra outra isso passou a não ser o justo pra você. Resolveu se valorizar ou alguém enfiou caraminholas na sua cabeça te fazendo mudar de ideia? Veja bem, você não precisa aceitar ganhar esses R$50 pro resto da vida, mas à princípio foi o que te ofereceram. Pode apostar que devem ter tido motivo pra te oferecerem esse valor.

E quando um ator ganha, sei lá, R$1.500 por apresentação e de repente passa a achar isso pouco. Estrelismo não gente, façam-se esse favor!

Enfim, perdoem o desabafo... Só acredito que "valores" dependem de variáveis para ser definidos e a partir do momento que se assume um compromisso você deve honrá-lo. A maioria de nós atores trabalha como freelancer e depende de conseguir pegar um trabalho e ganhamos pouco sim, infelizmente é uma realidade. Mas saibam valorizar o que vocês ganham, quer achem muito ou pouco.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Estudos pra arte e pra vida

Caio Castro causou alvoroço e dividiu opiniões ao dizer que não gostava de teatro e nem de literatura e apenas se mantinha antenado pro caso de alguém perguntar algo pra ele.

Eu, particularmente, acho que a experiência do palco e a convivência num grupo é importante pra um ator. É algo que dá uma bagagem impossível de se comparar com qualquer coisa no mundo.

Em quase todas as áreas profissionais tem "sortudos" que queimaram etapas apenas por estar no lugar certo na hora certa ou por ter um QI*. Acontece que isso faz outras pessoas acreditarem que também podem chegar a algum lugar sem fazer um pingo de esforço e essa é uma das causas de tudo estar do jeito que está. 

Acompanho as postagens da fanpage do blog "Atores da Depressão" e hoje eles postaram a imagem de uma mensagem deixada pra eles: 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=736938962993557&set=a.342840839070040.79558.342833715737419&type=1&relevant_count=1

Geeeente, socorrooooo! Essa "cultura" do "basta ter um rostinho ou um rabo bonito" pra estar na TV me maltrata!

Ator precisa estudar sim, criatura! E muito! No seu caso, precisa estudar Português também porque tá complicado assim, viu!?

Peço a atenção dos jovens desse Brasil nesse momento: Galera, tem sim gente que se dá bem sem fazer porra nenhuma da vida, mas ou são 15 minutos de fama normalmente mal aproveitados ou acaba virando alvo de chacota. Entendo que é difícil, mas pensem no futuro! Hoje você tem um rosto e um corpo bacana, mas amanhã isso acaba! Hoje você está na TV e tem dinheiro, mas amanhã pode não estar e com falta de preparo e estudo você estará na lama! Pensa: se tá difícil pra quem estuda e rala todo dia, imagina pra quem não faz isso? Consciência pelo amor de Deus! Não seja um Neto da vida que se gaba por estar na Band e comentar Copa do Mundo falando errado, enquanto jornalistas formados estão desempregados! 

Desculpem o desabafo! Obrigada pela atenção!

*Quem indica

segunda-feira, 24 de março de 2014

Diretores e suas direções


Li num livro uma vez que "diretores de teatro são atores frustrados". Não concordo, mas também não discordo totalmente! Não dá pra generalizar, mas existem sim diretores que se frustraram como atores e vivem pra infernizar a vida daqueles que estão no palco.

Mas existem diferentes tipos de diretor... Alguns exemplos:

- "Diretor espelho": Aquele que não consegue só dirigir, ele precisa subir no palco e fazer a cena pra que o ator o imite em cena depois;
- "Diretor Pai": Aquele que tem uma paciência infinita com os atores e até as broncas são dadas de forma carinhosa;
- "Diretor General": Ele não pede, ele manda! E ainda te faz chorar pensando seriamente em abandonar a carreira (a maioria é daqueles que se frustraram no palco anteriormente). Ele tem necessidade de deixar claro que é ele quem manda no pedaço;
- "Diretor detalhista/perfeccionista": Aquele que faz marcação até pros fios de cabelo que devem cair em determinada cena;
- "Diretor se vira": Ele diz pro ator muito por auto como deve ser a cena, mas como você vai fazer pra conseguir é problema exclusivo do ator;
- "Diretor espremedor de laranja": Ele sabe o que pode tirar do ator e o espremerá até extrair absolutamente tudo;
- "Diretor de tela em branco": Esse espera o ator mostrar o que tem pra só depois corrigir o que se fizer necessário, ele só dá as últimas pinceladas e assina a obra;
- "Diretor aventureiro": Não tem nenhuma formação e não foi ator, mas viu uma peça que o fez se apaixonar e achar que tudo era muito fácil e então decidiu dirigir um espetáculo achando que vai revolucionar a história do teatro.

E por aí vai...

Diretores têm uma função nobre, pois ele é quem concebe o projeto do espetáculo, elabora e coordena a encenação, a partir de uma ideia ou texto utilizando-se de técnicas para obter os melhores resultados da comunicação com o público.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Publico respeitável

A essência do teatro é composta por um trio! Três pernas de um banquinho, três partes, três elementos indispensáveis: ator, personagem e espectador.

Há algum tempo participei de uma montagem de espetáculo que falava dos bastidores do fazer teatral... O nervosismo dos atores, os erros, os desentendimentos, enfim tudo o que faz parte do teatro e que passa despercebido para o público que só assiste o que vai para o palco. Na ocasião, um amigo que auxiliava na bilheteria fez um comentário sobre a plateia e como ela influencia no bom andamento do espetáculo. Posteriormente, essas observações foram incorporadas ao texto tornando o espetáculo ainda mais completo.

Está rolando por aí uma campanha chamada "Saia já do foco!", uma referência ao foco de luz criado no rosto de um espectador que mexe em seu aparelho celular na escuridão de um teatro durante um espetáculo. Isso tudo me fez pensar e nesse momento escrevo uma postagem no blog para falar do público.

Não se pode negar o quanto a tecnologia facilita a nossa vida cada vez mais, mas também não podemos negar o quanto ela também nos atrapalha, principalmente a internet que é um verdadeiro vício! Aí eu pergunto: porque uma pessoa sai do conforto da sua casa e paga ingresso para ficar de olho no celular enquanto um espetáculo teatral acontece diante do seu nariz? 

Mas quem dera esse fosse o único ponto a ser discutido a respeito do comportamento do público... Há uma cultura desprezível chamada atraso! Aí você está lá sentado na plateia assistindo os primeiros minutos do espetáculo (que são importantíssimos para entender o contexto) e de repente uma luz surge ao fundo e você ouve um burburinho... É alguém chegando atrasado, abrindo a porta de entrada do publico e falando alto com o acompanhante sobre como será difícil encontrar lugar pra sentar na escuridão. Ah, faça um favor e chegue na hora marcada!

E como se a luz da tela do celular já não fosse suficientemente irritante, por vezes ouve-se um tocar e pra piorar tem gente que atende e ainda diz "tô no teatro e não posso falar". Aaaah, então você sabe que não pode falar no teatro? Então porque atendeu o celular, criatura? Infelizmente existem pessoas sem educação, sem cultura ou simplesmente sem "semancol" que faz essas e outras coisas nesse mesmo nível.

Vá ao teatro, sim! Prestigie! Mas vá com vontade, chegue na hora, desligue o celular, tire fotos sem usar flash, se tiver vontade de ir ao banheiro saia o mais discretamente possível, faça o dinheiro gasto no seu ingresso valer a pena ter sido pago, pois pode apostar que os atores estarão empenhados para apresentar o melhor espetáculo da sua vida. E se por acaso o espetáculo não estiver lhe agradando e você achar que acessar a internet pelo celular é mais interessante, tenha a decência de se retirar!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Opinião de Maria Ninguém

Estava lendo uma matéria com trechos de entrevista com Antonio Fagundes, não porque a manchete diz que ele vai "contracenar com Sandy em filme de terror", mas sim por causa de alguns comentários dele. Como não consigo ficar quieta, vou compartilhar minhas impressões sobre algumas das frases dele.

Primeiro ponto a ser comentado: Ele diz ser "analfabyte" por opção, pois acredita que "ou você passa o tempo todo limpando sua caixa de e-mail ou vai fazer outras coisas, ler, trabalhar". Fácil pra um ator com 37 anos de Rede Globo! Se um ator sem essa vitrine e sem esse "nome feito" não tiver pelo menos um endereço de e-mail, meu caro amigo, ele simplesmente não trabalha! Vai um "não Antonio Fagundes" inventar de se esconder do mundo digital pra ver o que acontece.

Segundo ponto: Nas palavras dele "Sou muito pontual e exijo pontualidade de quem trabalha comigo." Perfeito! Pontualidade é algo que as pessoas deveriam prezar mais! Imprevistos acontecem sim, mas atrasos por atrasos são pura falta de educação e consideração por quem está esperando.

Terceiro ponto: "Atuar é a profissão mais disciplinada que existe. É rígido. Não entendo quem diz que é coisa de boêmio." Obrigada, Fagundão! Agora sim você falou bonito! Também não entendo as pessoas que acreditam que ser ator é fácil e não requer trabalho duro, sacrifícios e disciplina.

O quarto ponto foi o que mais me chamou atenção: "É uma coisa que me chateia muito. Sempre falam de ingresso mais barato no teatro. O ingresso mais barato pro jogo do Flamengo custava R$ 250 e o cambista vendeu por R$ 800. A gente que deveria estar cobrando isso, e não o Flamengo." Fagundes, Fagundes, ah Fagundes! Esse é o sonho de todo artista! Mas infelizmente estamos no país do futebol e não das artes cênicas. Quem nos dera poder cobrar R$100 que fosse por um ingresso e ter casa lotada, mas a população prefere gastar esse valor numa noite na balada ou completar pra ver uma partida de futebol, não há costume, não há gosto, e quase não há educação para teatro. Até é possível vender ingressos por R$100, mas mesmo sendo Antonio Fagundes, não haverá casa lotada. 

Eu, como todo artista da área, concordo que o teatro deveria ser mais valorizado. Mas cá entre nós, acredito que valha mais a pena cobrar R$1,00 por um ingresso e "fazer o teatro acontecer" atingindo as pessoas que estiverem assistindo e proporcionar o acesso ao maior número de pessoas, do que cobrar muito mais e ter meia dúzia de gatos pingados na plateia.

É minha opinião! Mas eu não sou Antonio Fagundes... Aliás, quem sou eu mesmo?

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Meu querido site

Há 5 anos eu criava um site! Site que hoje tenho o prazer e a felicidade de ver o quanto é útil!
Um site sobre a minha paixão, um site sobre teatro... Amando, interagindo, DESVENDANDO TEATRO!

Pra comemorar seu aniversário, o site ganhou um novo layout. Mais claro e leve, assim como ele, simples, direto e completo! Resolvi também fazer um vídeo comemorativo falando sobre ele. Segue abaixo:


Agradeço imensamente todas os visitantes e pessoas que colaboram com o site direta ou indiretamente. Agradeço meus amigos: Carol que criou o belo logo, Amanda que me auxiliou na elaboração das perguntas sobre o site e Fábio que sempre me ajuda tanto e mandou muito bem mais uma vez no novo layout e arrasou na filmagem e edição do vídeo acima! Enfim... Todos vocês são demais! 

Obrigada!

http://www.desvendandoteatro.com/